Possibilidade de inclusão do ICMS na sistemática do Drawback Verde-Amarelo e Integrado

Artigos | 20/03/2010

Hermes Morettin

 

Diante dos pacotes de estímulo às exportações que têm sido estudados e praticados pelo Brasil, buscando recuperar e ultrapassar o volume de exportações anteriores a outubro de 2008, tem sido veiculado pela mídia que a Secretaria de Comércio Exterior (Secex) do MDIC vem negociando com os Estados, por meio do Confaz (Conselho Nacional de Política Fazendária), a inclusão do ICMS  em todas as modalidades de drawback. Para consecução deste e objetivo e outros correlatos, estuda-se a integração da Secex com comitê específico do Confaz ligado ao comércio exterior [1] , com o intuito de identificar as necessidades dos Estados e desenvolver novas funcionalidades sistêmicas para facilitar a fiscalização estadual e da própria Secex nos atos concessórios de drawback.

 

É grande a expectativa do setor produtivo pela criação da sistemática e publicação das normas de regência, como já foi manifestado publicamente por diversas entidades de classe representantes da indústria. O regime aduaneiro especial  drawback vem se desenvolvendo nas últimas décadas e a inclusão do ICMS atende uma grande necessidade das indústrias exportadoras brasileiras, que acumulam créditos tributários estaduais de baixíssima liquidez.

 

Criado em 1966 pelo Decreto-Lei n° 37, o Regime Aduaneiro Especial de Drawback é um significativo instrumento brasileiro de incentivo às exportações, pois permite que os tributos incidentes nas importações possam ser suspensos, isentos ou restituídos, quando o insumo importado fora destinado à produção de produto posteriormente exportado.

 

O tratamente tributário inicialmente conferido pelo Regime para as aquisições de insumos importados foi estendido em 1992 às aquisições de insumos nacionais, ou seja, insumos comprados no mercado interno, com a publicação da Lei 8.402, criadora do “drawback-interno”, apelidado de “verde e amarelo”. O drawback verde e amarelo não foi muito utilizado pelas empresas naquela época, pois a concessão desta modalidade era burocrática e tinha como etapas a apresentação à Receita Federal de um fluxo de exportações já programadas que evidenciasse a utilização dos insumos nacionais.

 

Mas percebeu-se assim que o regime poderia ser muito mais utilizado pelos beneficiários, reduzindo custos tributários e aumentando a competitividade dos produtos brasileiros no mercado mundial, gerando assim mais exportações e possibilidades de negócios internacionais. Para isso, o controle operacional teria de ser mais intenso e eficiente. Em 2001 a modalidade suspensão do regime passou a operar em um módulo eletrônico dentro do siscomex de exportação, e, desde 2007, opera completamente na internet, permitindo uma completa integração entre os siscomex de exportação e importação, abrangendo ainda as possibilidades de acesso ilimitado pelos beneficiários pela rede mundial de computadores.

 

Mais recentemente, com a publicação das leis 10.833/03 e 11.945/09 e atos regulamentares das secretarias de Comércio Exterior e da Receita Federal, foi recriado o drawback verde-amarelo e seu sucedâneo “drawback integrado”[2], reduzindo as formalidades que no passado impediram a popularização do uso do regime pelas empresas brasileiras, pela adoção da própria plataforma de controle do drawback suspensão, via internet, para controle dessa modalidade. Com isso, passou a ser efetivamente permitida regime a aquisição de mercadoria no Brasil para industrialização de produto a ser exportado, com suspensão dos tributos incidentes no faturamento (IPI, PIS/Pasep e Cofins), conferindo tratamento tributário equivalente aos insumos adquiridos no mercado interno que àqueles importados.

 

Quando empresas operam com as modalidades que contemplam as compras nacionais, há o prazo de até 60 (sessenta) dias para a adquirente cadastrar a Nota Fiscal de Venda nos controles e sistemas do Drawback (módulo Web), porém estuda-se a possibilidade de haver a migração automática quando do momento da emissão de notas fiscais eletrônicas, a exemplo do que já ocorre com os dados das LIs (Licenças de Importações), DIs (Declarações de Importações) e REs (Registros de Exportações). Esta modernização dos sistemas do Ministério permitirá que mais empresas sejam beneficiárias do Regime, o que atrairá principalmente as empresas de médio e pequeno porte que hoje não atuam com o drawback, pois sentem uma notória complexidade nos controles operacionais.

 

Nota-se assim que o governo buscou ao longo dos anos aumentar a participação das empresas beneficiárias do regime, e esse progresso tem apresentado resultados satisfatórios, mas infelizmente a incidência do ICMS ainda é uma barreira não solucionada, o que obriga as empresas a arcarem com o imposto em algumas modalidades, como no caso do Drawback Intermediário, Drawback verde-amarelo e Drawback Integrado. O pagamento do imposto estadual nessas modalidades do drawback na aquisição de insumos consumidos na fabricação de produto exportado, que é imune à tributação do imposto, cria um acúmulo de crédito tributário para os exportadores, que sofrem ainda com a morosidade na devolução dos mesmos.

 

No contexto de desenvolvimento do regime epecial drawback, das exportações brasileiras e do Brasil, a inclusão do ICMS em todas as modalidades do Regime é uma ação pontual e eficaz, que irá reduzir custos dos exportadores e aumentar o interesse de fabricantes nacionais pelo mercado externo. Criadas as condições pelo governo, ao setor produtivo cumprirá exerer sua capacidade e ganhar posições comerciais pelo mundo.




[1] Grupo de Trabalho 54 de Comércio Exterior do Confaz


[2] O que diferencia estas modalidades, drawback “verde-amarelo” e “drawback integrado”, é que a primeira conjuga importações e aquisições nacionais, enquanto a segunda contempla apenas a operação de compras no mercado interno.

Eventos | 22/09/2016

AEO Validation - Curso ministrado na ESAF/RFB por experts internacionais

Sócios da Lira & Associados Advocacia participaram de treinamento intensivo sobre os novos requisitos do Programa OEA, juntamente com profissionais da RFB, MAPA e Anvisa


Artigos | 13/09/2016

TRF4 EDITA SÚMULA RECONHECENDO QUE CAPATAZIA NÃO INTEGRA O VALOR ADUANEIRO PARA FINS DE CÁLCULO DO IMPOSTO DE IMPORTAÇÃO

Enquanto não houver pronunciamento com efeitos gerais sobre o assunto, a IN SRF 327/03 continua vigente, sendo necessário o ingresso de ação judicial para obstar o recolhimento do imposto de importação calculado com a indevida inclusão das despesas


Novidades | 12/08/2016

Comitê "Customs & Trade Law - Brazil" – 27/09/2016

Será realizada no dia 27/09/16 a 3ª Reunião do Comitê "Customs & Trade Law - Brazil", no Grand Hyatt, em São Paulo, tendo como pauta o programa “Operador Econômico Autorizado"


Artigos | 02/08/2016

Contingenciamento dos efeitos nocivos da greve da Receita Federal

Como forma de garantir os direitos daqueles que atuam no comércio exterior, medidas judiciais se mostram eficazes para afastar os efeitos nocivos da greve.


Novidades | 18/07/2016

DEMORA NA ANÁLISE DE LICENCIAMENTOS DE IMPORTAÇÃO POR PARTE DO INMETRO CAUSA PREJUÍZO AOS IMPORTADORES

A agência governamental declarou não ter condições de cumprir com as suas obrigações e as importações que dependem de licenciamento serão prejudicadas por isso.


[+] veja mais

Cadastre-se em nossa Newslettter:

São Paulo

fone:

+55 (11) 5181-1149

e-mail

contato@liraa.com.br

endereço:

Av. Dr. Chucri Zaidan, 1.550 - Conj. 506
Capital Corporate Office - Brooklin
São Paulo-SP | CEP: 04583-110

» veja o mapa

Campinas

fone:

+55 (19) 3243-7075

e-mail

contato@liraa.com.br

endereço:

Rua Dr. José Inocêncio de Campos, 153 – 9º andar
Metropolitan Plaza - Cambuí
Campinas-SP | CEP: 13024-230

» veja o mapa

Facebook Twitter LinkedIn
Lira & Associados Advocacia - Copyright® 2016

Desenvolvido por:

Web e Ponto - Soluções Digitais