Possibilidade de inclusão do ICMS na sistemática do Drawback Verde-Amarelo e Integrado

Artigos | 20/03/2010

Hermes Morettin

 

Diante dos pacotes de estímulo às exportações que têm sido estudados e praticados pelo Brasil, buscando recuperar e ultrapassar o volume de exportações anteriores a outubro de 2008, tem sido veiculado pela mídia que a Secretaria de Comércio Exterior (Secex) do MDIC vem negociando com os Estados, por meio do Confaz (Conselho Nacional de Política Fazendária), a inclusão do ICMS  em todas as modalidades de drawback. Para consecução deste e objetivo e outros correlatos, estuda-se a integração da Secex com comitê específico do Confaz ligado ao comércio exterior [1] , com o intuito de identificar as necessidades dos Estados e desenvolver novas funcionalidades sistêmicas para facilitar a fiscalização estadual e da própria Secex nos atos concessórios de drawback.

 

É grande a expectativa do setor produtivo pela criação da sistemática e publicação das normas de regência, como já foi manifestado publicamente por diversas entidades de classe representantes da indústria. O regime aduaneiro especial  drawback vem se desenvolvendo nas últimas décadas e a inclusão do ICMS atende uma grande necessidade das indústrias exportadoras brasileiras, que acumulam créditos tributários estaduais de baixíssima liquidez.

 

Criado em 1966 pelo Decreto-Lei n° 37, o Regime Aduaneiro Especial de Drawback é um significativo instrumento brasileiro de incentivo às exportações, pois permite que os tributos incidentes nas importações possam ser suspensos, isentos ou restituídos, quando o insumo importado fora destinado à produção de produto posteriormente exportado.

 

O tratamente tributário inicialmente conferido pelo Regime para as aquisições de insumos importados foi estendido em 1992 às aquisições de insumos nacionais, ou seja, insumos comprados no mercado interno, com a publicação da Lei 8.402, criadora do “drawback-interno”, apelidado de “verde e amarelo”. O drawback verde e amarelo não foi muito utilizado pelas empresas naquela época, pois a concessão desta modalidade era burocrática e tinha como etapas a apresentação à Receita Federal de um fluxo de exportações já programadas que evidenciasse a utilização dos insumos nacionais.

 

Mas percebeu-se assim que o regime poderia ser muito mais utilizado pelos beneficiários, reduzindo custos tributários e aumentando a competitividade dos produtos brasileiros no mercado mundial, gerando assim mais exportações e possibilidades de negócios internacionais. Para isso, o controle operacional teria de ser mais intenso e eficiente. Em 2001 a modalidade suspensão do regime passou a operar em um módulo eletrônico dentro do siscomex de exportação, e, desde 2007, opera completamente na internet, permitindo uma completa integração entre os siscomex de exportação e importação, abrangendo ainda as possibilidades de acesso ilimitado pelos beneficiários pela rede mundial de computadores.

 

Mais recentemente, com a publicação das leis 10.833/03 e 11.945/09 e atos regulamentares das secretarias de Comércio Exterior e da Receita Federal, foi recriado o drawback verde-amarelo e seu sucedâneo “drawback integrado”[2], reduzindo as formalidades que no passado impediram a popularização do uso do regime pelas empresas brasileiras, pela adoção da própria plataforma de controle do drawback suspensão, via internet, para controle dessa modalidade. Com isso, passou a ser efetivamente permitida regime a aquisição de mercadoria no Brasil para industrialização de produto a ser exportado, com suspensão dos tributos incidentes no faturamento (IPI, PIS/Pasep e Cofins), conferindo tratamento tributário equivalente aos insumos adquiridos no mercado interno que àqueles importados.

 

Quando empresas operam com as modalidades que contemplam as compras nacionais, há o prazo de até 60 (sessenta) dias para a adquirente cadastrar a Nota Fiscal de Venda nos controles e sistemas do Drawback (módulo Web), porém estuda-se a possibilidade de haver a migração automática quando do momento da emissão de notas fiscais eletrônicas, a exemplo do que já ocorre com os dados das LIs (Licenças de Importações), DIs (Declarações de Importações) e REs (Registros de Exportações). Esta modernização dos sistemas do Ministério permitirá que mais empresas sejam beneficiárias do Regime, o que atrairá principalmente as empresas de médio e pequeno porte que hoje não atuam com o drawback, pois sentem uma notória complexidade nos controles operacionais.

 

Nota-se assim que o governo buscou ao longo dos anos aumentar a participação das empresas beneficiárias do regime, e esse progresso tem apresentado resultados satisfatórios, mas infelizmente a incidência do ICMS ainda é uma barreira não solucionada, o que obriga as empresas a arcarem com o imposto em algumas modalidades, como no caso do Drawback Intermediário, Drawback verde-amarelo e Drawback Integrado. O pagamento do imposto estadual nessas modalidades do drawback na aquisição de insumos consumidos na fabricação de produto exportado, que é imune à tributação do imposto, cria um acúmulo de crédito tributário para os exportadores, que sofrem ainda com a morosidade na devolução dos mesmos.

 

No contexto de desenvolvimento do regime epecial drawback, das exportações brasileiras e do Brasil, a inclusão do ICMS em todas as modalidades do Regime é uma ação pontual e eficaz, que irá reduzir custos dos exportadores e aumentar o interesse de fabricantes nacionais pelo mercado externo. Criadas as condições pelo governo, ao setor produtivo cumprirá exerer sua capacidade e ganhar posições comerciais pelo mundo.




[1] Grupo de Trabalho 54 de Comércio Exterior do Confaz


[2] O que diferencia estas modalidades, drawback “verde-amarelo” e “drawback integrado”, é que a primeira conjuga importações e aquisições nacionais, enquanto a segunda contempla apenas a operação de compras no mercado interno.

Newsletter | 23/03/2017

Novo processo de exportação é lançado!

Declaração Única de Exportação simplificará o processo e reduzirá o prazo médio de exportação.


Newsletter | 16/03/2017

EXCLUSÃO DO ICMS DA BASE DE CÁLCULO DO PIS E DA COFINS

Conclusão do julgamento da repercussão geral da matéria.


Newsletter | 10/03/2017

ILEGALIDADE DA INCLUSÃO DA THC DE DESTINO NA BASE DE CÁLCULO DO IMPOSTO DE IMPORTAÇÃO

Uniformização de entendimento no Superior Tribunal de Justiça.


Comércio Exterior | 08/03/2017

Modificação das Regras de Origem do ACE 35

Protocolo Adicional que substitui integralmente o Anexo 13 “Regime de Origem” do ACE 35 é internalizado pelo Brasil


Comércio Exterior | 07/03/2017

Solução de Consulta Cosit 65/2017

ALERTA - Solução de Consulta 65/2017, Cosit reitera vedação à aplicação do Método do Valor de Transação (1º método de valoração) às operações não vinculadas a uma compra e venda.


[+] veja mais

Cadastre-se em nossa Newslettter:

São Paulo - SP

fone:

+55 (11) 5181-1149

e-mail

contato@liramp.com

endereço:

São Paulo - SP - Brazil
Avenida Dr. Chucri Zaidan, 1.550
Capital Corporate Office - cj. 506
Morumbi - CEP 04583-110

» veja o mapa

Curitiba - PR

fone:

+55 (41) 3514-0633

e-mail

contato@liramp.com

endereço:

Curitiba - PR - Brazil
Rua Coronel Dulcidio, 588
Batel - CEP 80420-170

» veja o mapa

Campinas - SP

fone:

+55 (19) 3243-7075

e-mail

contato@liramp.com

endereço:

Campinas - SP - Brazil
Rua Dr. José Inocêncio de Campos, 153
Metropolitan Plaza - 9º andar
Cambuí - CEP 13024-230

» veja o mapa

São José dos Campos - SP

fone:

+55 (12)3302-5062

e-mail

contato@liramp.com

endereço:

São José dos Campos - SP - Brazil
Av. Anchieta, 901
Jd. Nova América - CEP 12242-280

» veja o mapa

Facebook LinkedIn
Lira Rached Morais Pavão Advogados & Consultores - Copyright® 2017

Desenvolvido por:

Web e Ponto - Soluções Digitais